Interpretação de Gênesis 37



Interpretação de Gênesis

Interpretação de Gênesis 37


José. 37:1 - 50:26.
Gênesis 37
1) Primeiras Experiências de José. 37:1-36.
1-11. José, o filho mais velho de Raquel, era o predileto de seu pai Jacó. Por causa disso e por outros motivos ele ficou prejudicado diante dos seus irmãos. De um lado, ele reagia fortemente contra o comportamento imoral e contrário à ética dos seus irmãos, denunciando-os ao seu pai e, assim, levando a fama de intrigante. Para piorar ainda mais a situação, seu pai lhe deu túnicas reais, com longas mangas esvoaçantes, o que o destacava como o mais favorecido do grupo. Deduzimos naturalmente que Jacó havia escolhido José como aquele através do qual as bênçãos divinas continuariam. Além disso, José tinha sonhos que apontavam para sua futura e destacada grandeza, e ele contava seus sonhos aos seus irmãos.
Os filhos de Jacó ficavam enfurecidos quando ouviam José anunciando que governaria sobre eles. Ele, o jovem príncipe favorecido, evidentemente cria que ele teria destaque em toda a sua família. Em sua conversa ingênua, acendeu o fogo da inveja e do ódio assassino. Mas Deus tinha em mente algumas bênçãos maravilhosas para o rapaz, conforme o tempo revelaria. José deveria ter sido aconselhado sobre como lidar com criaturas imperfeitas que se ressentiam com os seus modos e o seu ar de superioridade (como eles achavam). Como ele precisava de um conselheiro sábio! Aparentemente Jacó o amava tão ardente e tão cegamente que não era capaz de orientá-lo sabiamente.
12-28. Os irmãos acolheram a malícia em seus corações e decidiram livrar-se de José. Tinha muito tempo para formularem uma trama para a realização de seu propósito. Do Hebrom, onde moravam, a Siquém no norte, esses homens foram à procura de pastos para seus rebanhos e gado. Jacó enviou José a Siquém para visitar seus outros filhos e trazer-lhe notícias deles. Quando chegou perto de Siquém, José soube que seus irmãos tinham ido para Dotã, uns 24 kms mais para o norte. Quando os irmãos viram José que vinha chegando, planejaram matá-lo, embora Rúben terrina procurado salvar a vida do rapaz. Rúben convenceu os outros a colocarem José dentro de uma cisterna, esperando retirá-lo de lá mais tarde. Subseqüentemente Judá convenceu seus irmãos que seria melhor retirar o rapaz da cisterna e vendê-lo a uma caravana que passava a caminho do Egito. Rúben tinha planejado levar o rapaz de volta para o pai. Judá planejou salvá-lo de morrer de fome. No desenrolar dos fatos, José encontrou-se prisioneiro de uma caravana de ismaelitas (v.25) ou midianitas. Logo mais seria escravo em alguma família egípcia. Ismaelitas e midianitas eram descendentes de Abraão. Talvez o grupo fosse composto de ambos.
29-35. Rúben, o primogênito, era diretamente responsável pelo rapaz diante de seu pai. Dolorosamente apresentaram a Jacó uma vestimenta manchada de sangue e uma história mentirosa que praticamente quebrou o coração do velho patriarca. Convenceu-se de que o seu filho favorito estava morto. Aquele que, na sua mocidade, fora o campeão dos enganadores, estava sendo agora cruelmente enganado. Ele gemeu: Chorando, descerei a meu filho até a sepultura (Sheol). O hebraico Sheol descreve a habitação subterrânea dos mortos, correspondendo ao “Hades” grego. Ali, de acordo com a tradição, os espíritos desincorporados continuam a existir nas regiões das sombras, onde não há saída nem comunicação com Deus ou o homem. É uma meia existência. Jacó sabia que logo também estada no Sheol, mas não tinha esperanças de ver o fim de seus pungentes sofrimentos até aquela hora.
36. Os ismaelitas venderam José a Potifar, um oficial na corte de Faraó. Evidentemente Potifar era o chefe dos executadores. A palavra provavelmente referia-se à tarefa de matar animais para a cozinha real ou talvez animais usados para o sacrifício. O jovem José foi designado como mordomo da residência de Potifar. Ele se encontrava muito longe de casa e, aparentemente, ainda mais longe da realização dos sonhos de proeminência enviados pelo céu. Contudo, o Deus de José continuava operando Seus propósitos e planos. E Ele pretendia usar Potifar e Faraó na realização do programa divino.

Mais estudos bíblicos sobre o Livro de Gênesis

Interpretação de Gênesis 37 Interpretação de Gênesis 37 Reviewed by Biblioteca Bíblica on domingo, julho 10, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.