Interpretação de Gênesis 50



Interpretação de Gênesis

Interpretação de Gênesis 50


50:1-3. José revelou o forte afeto que tinha por seu pai na prolongada demonstração emocional. Os outros filhos, também, provavelmente deram vazão ao seu amor. Para se certificarem de que o corpo de Jacó seria preservado de decomposição na longa viagem ao Hebrom, José chamou os seus servos, os médicos egípcios, para embalsamá-lo, e os médicos embalsamaram a Israel (v. 2). Os egípcios eram cuidadosos na preservação do corpo de uma pessoa morta para que, ao retornar a alma à sua antiga residência, o corpo estivesse preparado para a ocupação. As múmias egípcias preservadas durante séculos dão silencioso testemunho da notável eficiência desses embalsamadores. A palavra reiphei' significa “curar” ou “remendar” por meio da cirurgia ou remédios. O Egito tinha muitos médicos, e é possível que eles realizassem a maior parte do embalsamamento. De qualquer forma, o corpo de Jacó foi mumificado para a viagem, e devia ter sido bem preservado para o dia do sepultamento. Os egípcios o choraram setenta dias (v. 3). Talvez quarenta dias fossem necessários para o embalsamamento. Os dias adicionais foram necessários para completar o período do luto, de modo que passaram-se finalmente setenta dias antes que a viagem a Canaã começasse. A nação egípcia, devido ao seu respeito por José, participou do luto.
4-6. Para obter permissão oficial de deixar o reino, José apresentou a Faraó o pedido de seu pai de ser sepultado no meu sepulcro que abri para mim. O hebraico keira pode ser traduzido para cavar ou comprar. Em Dt. 1:6 significa “comprar”, mas nesta passagem abri parece ser a melhor tradução. Abraão comprou o pedaço de terra de Efrom para ser usado como lugar de sepultamento de Sara. Não há motivos para que nos oponhamos à idéia de que Jacó tenha entrado na caverna e cavado na rocha sua própria Sepultura.
7-13. Com pompa fora do comum e exibição, a procissão egípcia saiu de Gósen e empreendeu a longa viagem ao Hebrom. Carros e cavaleiros, ao lado de oficiais da corte de Faraó e todos os filhos de Jacó, fizeram o acompanhamento. Os egípcios fizeram ali grande e intensa lamentação (v. 10). Os nativos se admiraram com o enorme grupo dos pranteadores; nunca tinham visto nada igual. Na caverna de Macpela seus filhos. . . o sepultaram. Israel chegara ao fim de sua vida acidentada.
14-21. José, com os seus irmãos, voltaram ao Egito para retomarem sua vida de sempre. Imediatamente o medo tomou conta dos filhos mais velhos de Jacó. Achavam que agora José poderia se voltar contra eles para executar uma vingança completa pelo crime de o terem vendido como escravo. Prostraram-se diante dele (v. 18), cheios de desgosto, arrependimento e solicitações. Imploraram perdão e misericórdia. José com todo amor lembrou-os de que a mão de Deus estivera em tudo o que acontecera, que o Senhor operara naquele sentido para o bem de todos. Assegurou-lhes seu continuado amor e prometeu que cuidaria de suas necessidades durante o restante dos anos da fome. De acordo com sua delicada natureza, ele lhes falou ao coração (v. 21).
22-26. Morreu José . . . e o puseram num caixão no Egito. Com a idade de cento e dez anos José morreu, tendo vivido como representante de Jeová na difícil crise na vida do povo escolhido. Exigiu que seus irmãos lhe prometessem solenemente que guardariam o seu corpo em segurança até que retornassem a Canaã, para o levar até a sua terra natal onde o sepultariam. Cons. Hb. 11:22: “Pela fé José, próximo da morte, fez menção da saída dos filhos de Israel, e deu ordem acerca de seus ossos”. Seu corpo foi mumificado e colocado em um ataúde (eiron) à espera da longa jornada de quarenta anos para Siquém. Por ocasião do Êxodo, o caixão com a múmia foi mantido no acampamento como lembrete da mão de Deus que tudo controla e opera a vontade divina em todas as lutas da vida (cons. Ex. 13:19).
Gênesis termina com a renovação das santas promessas do Senhor aos seus escolhidos e o desafio para a realização dos propósitos divinos para Israel. José já partira. Um Faraó “que não conhecera a José” entraria em cena para mudar o feliz relacionamento realizado pela sabedoria de José, mas um Moisés se levantaria para assumir o fardo da liderança. O Senhor eterno não se esqueceria nem fracassaria diante do Seu povo. Os ricos propósitos revelados aos patriarcas se realizariam na hora estipulada por Ele.



Mais estudos bíblicos sobre o Livro de Gênesis

Interpretação de Gênesis 50 Interpretação de Gênesis 50 Reviewed by Biblioteca Bíblia on segunda-feira, julho 11, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.