Interpretação de Gênesis 14



Interpretação de Gênesis

Interpretação de Gênesis 14


Abraão, Ló, Melquisedeque. 14:1-24.
14:1-14. Em vez de desfrutar de paz, prosperidade e alegria, Ló e Abrão encontraram-se no meio de uma guerra. Poderosos exércitos combativos vindos do oriente invadiram a terra da Palestina, e causaram muitos estragos. Abrão se envolveu profundamente por causa do amor que tinha por Ló, e logo se revelou um guerreiro a ser considerado quando os invasores procuraram espoliar a terra. Ló foi feito prisioneiro de guerra quando sua cidade, Sodoma, e os reinos vizinhos foram derrotados pelos invasores. Ele se arriscara quando escolhera desfrutar das facilidades e privilégios de Sodoma, tomando-se um dos habitantes dessa cidade ímpia. Agora descobriu que tinha de participar dos perigos e da tragédia da cidade. Rapidamente Abrão reagiu com 318 homens numa missão de salvamento, comprovando ser uma força poderosa a bem da justiça na terra.
1. Anrafel, rei de Sinear. Um dos quatro que compunham o exército invasor. Sinear, localizada ao norte da Mesopotâmia, deu seu nome a toda área entre o Tigre e o Eufrates, incluindo a Babilônia. A baixa Mesopotâmia foi o centro da civilização sumeriana, datando de cerca de 3500 A.C. Anrafel era o rei dessa região. Bem recentemente os estudiosos o identificaram como Hamurábi, um dos primeiros reis de Babilônia. Contudo, descobertas mais recentes nas tábuas de barro tendem a colocar a vida de Hamurábi em data mais recente - 1700 A.C. Anrafel foi rei muito antes. Arioque foi rei de Elasar, Babilônica Larsa, e provavelmente controlava uma região muito maior ao sul da Babilônia.
Quedorlaomer. Rei de Elão, uma bem conhecida região montanhosa perto da cabeça do Golfo Pérsico. Parece que era o mais poderoso dos quatro reis que fizeram esta expedição. Controlava os outros reis da Babilônia e Palestina. Seu nome Kudur-Lagamer significa “servo de Lagamer”, um dos deuses do Elão. A capital do Elão era Susa. Tidal, outro dos reis confederados, era chamado de rei de Goim, isto é, das nações ou povos. Seu título pode indicar que ele controlava diversos reinos individuais, ou que estivesse à cabeça de um forte grupo de gente nômade que se ocupava em fazer incursões para pilhagens.
2. Estes reis, com suas tropas seletas, vieram da região além do Damasco, e arremeteram contra as terras a leste do Jordão até o extremo sul do Mar Morto. Depois voltaram-se para o norte e rapidamente subiram pelo lado oriental do Jordão. A batalha decisiva realizou-se nas terras baixas além do Mar Morto (o vale de Sidim, v. 3), com os cinco reis desta região imediata que se rebelaram contra seus senhores do oriente.
3. O Mar Salgado (Mar Morto) tem 76kms de comprimento por 15kms de largura. Uma vez que sua superfície fica a 397ms abaixo (o mar Mediterrâneo, e as águas têm uma profundidade de 369ms, este mar é o “lençol de água mais baixo no mundo”. Suas águas são cinco vezes mais densas em conteúdo salino do que a água comum do mar. Estudiosos afirmam que as ruínas de Sodoma e Gomorra ficaram sob as águas do extremo sul deste mar. Admá e Zeboim (cons. v. 2) foram as outras cidades destruídas pelo golpe destruidor da mão de Deus. Os reis do oriente derrotaram completamente os guerreiros confederados, fizeram prisioneiros e saquearam tudo em sua volta. Ló estava entre os capturados.
6. E aos horeus no seu monte Seir. A arqueologia tem contribuído muito para estabelecer a historicidade básica destas antigas narrativas. Esse povo, chamado os horeus, são agora bem conhecidos como os humanos, um grupo não semítico. Suas inscrições, descobertas por arqueólogos em Nuzu, têm lançado muita luz sobre os costumes dos patriarcas. William F. Albright crê que estes humanos destacaram-se em cerca de 2400 A.C., e foram rivais dos hititas e sumerianos na supremacia da cultura e saber. Devem ter emigrado para a região sul do Mar Morto bastante cedo. Foram desalojados da região do Monte Seir pelos descendentes de Esaú (Dt. 2:22).
7. Cades (santuário). Um local antigo onde saía água de uma rocha, e o julgamento era feito por um santo homem que recebia revelação divina. Ficava às margens do Edom, cerca de 80 kms ao sul de Berseba e a 112 kms do Hebrom. Aqui os israelitas aguardaram toda uma geração à espera da ordem de Deus para penetrarem na Palestina. Miriã foi sepultada em Cades, uma viagem de onze dias do Sinai. Amalequitas. Rudes e predatórios saqueadores que perambulavam pela área deserta ao sul da Palestina. Provaram ser constante ameaça aos israelitas durante todos os dias do reino. Neste exemplo o povo de Canaã foi severamente castigado pelos invasores ocidentais.
10. Poços de betume. Poços do qual se extraía petróleo líquido. Os buracos deviam ainda estar parcialmente cheios do líquido borbulhante. Os guerreiros, tentando desesperadamente escapar à fúria do ataque inimigo, caíram nesses buracos e foram destruídos. Os invasores orientais escaparam com o produto do saque e muitos prisioneiros, que seriam feitos escravos.
13. Abrão, o hebreu. Rapidamente a notícia da batalha alcançou Abrão no Hebrom. Ele não fora envolvido na luta, mas uma vez que o seu sobrinho fora feito prisioneiro, sentia-se sem dúvida obrigado a tentar um salvamento. Esta é a primeira vez que as Escrituras usam a palavra hebreu (hei'ibri). A origem exata do nome ainda é questão discutível. Era usada por estrangeiros para designar os descendentes de Abraão e dos patriarcas. Provavelmente significa “um descendente de Éber” ou “alguém do outro lado” (do rio). Isto se aplica a Abrão como alguém que emigrou da Mesopotâmia. Alguns têm identificado os hebreus com os habiru, que se destacaram na arqueologia através das cartas de Tel el Amarna encontradas nas placas de Nuzu e Mari, no Egito e na Mesopotâmia. O caráter desses nômades perturbadores não os recomendaria como filhos de Abrão.
14. A palavra hebraica riq (E.R.C., armou) descreve o trabalho rápido e completo de Abrão convocando cada homem capaz para a ação imediata. Foi traduzido, literalmente, para fez sair, como a uma espada de sua bainha. Nenhum homem ficou para trás. Trezentos e dezoito homens atenderam ao chamado e seguiram seu respeitável líder. Para guardar uma propriedade como a do patriarca, tornava-se necessário possuir um grupo forte sempre disponível, Além desses homens prontos e capazes, Abrão levou consigo exércitos de seus amigos confederados, Aner, Escol e Manre, que foram leais com o seu bom amigo na hora da emergência. Os invasores fugitivos do oriente dirigiram-se rapidamente para Dã nas fronteiras do norte de Canaã. A cidade se aninhava aos pés do Monte Hermom, a uma certa distância ao noroeste de Cesaréia de Filipos. Naquela ocasião tinha o nome de Leshem ou Laish (cons. Jz. 18:7). Os danitas a tomaram anos mais tarde e a denominaram Dã.
15. Hobá era uma cidade a menos de cinqüenta milhas ao norte da antiga cidade de Damasco. Depois do ataque em Dã, Abrão e Seus guerreiros perseguiram o exército de Quedorlaomer por umas cem milhas. No ataque de surpresa, eles seguiram no encalço do inimigo e conseguiram recuperar o despejo e os prisioneiros. Ló estava novamente seguro sob a proteção do seu tio. E Abrão estabeleceu o seu poder em Canaã, pois os povos vizinhos ficaram admirados com alguém que podia desferir golpes tão violentos.
17. Retornando ao seu próprio distrito, Abrão foi recebido pelo rei de Sodoma, que expressou sua profunda gratidão pelo livramento notável. Encontraram-se no lugar chamado sove, ou o vale do Rei. A palavra Savé significa “uma planície”. Provavelmente ficava perto de Jerusalém.
18-20. Melquisedeque, rei de Salém. O nome do misterioso personagem significa “rei de justiça” ou “meu rei é justiça”, ou “meu rei é Zedeque”. Zedeque é a palavra hebraica para “justiça”, e também o nome de uma divindade cananita. Melquisedeque era o rei-sacerdote de Salém, que é uma forma abreviada de Urusalim, “cidade de paz”, identificada com Jerusalém. As placas de Tel el Amarna identificam Salém com a Jerusalém de 1400 A.C. Shalom é a palavra hebraica para “paz”, e Shalom era provavelmente o deus da paz cananita.
Este benevolente rei-sacerdote, reconhecendo a nobreza e o valor de Abrão, forneceu um lanche para o exausto guerreiro e os seus homens. Era um sinal de amizade e hospitalidade. Melquisedeque louvou El Elyon, seu Deus (o Deus Altíssimo) por ter concedido a Abrão o poder de alcançar a vitória. Abrão reconheceu o El Elyon de Melquisedeque como Jeová, o Deus que ele mesmo servia. O nome Deus Altíssimo foi encontrado nos documentos do Ras Shamra que datam do século quatorze A.C. Evidentemente Melquisedeque tinha firmeza nas doutrinas de sua fé, que eram tão verdadeiras e básicas como aquelas que Abrão trouxe da Babilônia. Cada uma destas colunas tinha algo a dar e algo a aprender. (Veja Sl. 110:4; Hb. 5:9, 10; 7:1-7 para o desenvolvimento do conceito do sacerdócio ideal e aplicação disto à doutrina de Melquisedeque.) O autor de Hebreus declara que Cristo foi de uma ordem sacerdotal muito mais antiga que a de Arão e portanto o seu sacerdócio foi superior ao sacerdócio araônico. Reconhecendo a posição sacerdotal de Melquisedeque, Abrão lhe trouxe dízimos como oferta religiosa.
21-24. Ao falar com o rei de Sodoma, o patriarca recusou aceitar parte dos despojos ganhos na batalha. Ele não empreendera a guerra com o intuito de se enriquecer, mas para garantir o livramento de Ló. Ele não receberia o lucro de maneira nenhuma, mas queda que os seus aliados recebessem uma quantia razoável para pagamento de suas despesas. Evidentemente não havia nada mesquinho, egoísta ou ganancioso em seu caráter.



Mais estudos bíblicos sobre o Livro de Gênesis

Interpretação de Gênesis 14 Interpretação de Gênesis 14 Reviewed by Biblioteca Bíblica on segunda-feira, julho 11, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.