Interpretação de Êxodo 26



Interpretação de Êxodo

Interpretação de Êxodo 26

(Interpretação da Bíblia)




O Tabernáculo. 26:1-37.
1-6. As Cortinas Ornamentais que Formavam o Tabernáculo Propriamente Dito. Eram dez cortinas, cada uma com 12,80 ms de comprimento por 1,83 ms de largura. Quando reunidas, formavam uma só grande cortina de 18,29 ms por 11,80 ms. As cortinas eram tapeçarias lindamente tecidas em linho branco e fazenda azul, roxa e vermelha. com figuras de querubins tecidas ou bordadas nelas. Armadas sobre a estrutura de madeira (vs. 15-30), as cortinas formavam o Tabernáculo propriamente dito. A não ser que entendamos que este lindo trabalho, ficasse completamente escondido, devemos supor que as tábuas da estrutura formavam quadrados vazios e não uma cerca sólida (Kennedy, “Tabernacle”, HDB), ou então que as cortinas ficavam do lado de dentro da estrutura (James Strong, The Tabernacle). Strong crê que elas não eram usadas como uma tenda, mas que pendiam como cortinas do lado de dentro da estrutura.
Obra de artista (v. 1). Trabalho de desenhista ou projetista. As cortinas (vs. 3-6) eram reunidas em dois conjuntos de três cada, por meio de alças de fazenda azul com colchetes de ouro. Os dois conjuntos eram, então, reunidos da mesma maneira, formando assim uma grande cortina. Considerando que a estrutura do Tabernáculo era de 13,72 ms x 4,57 ms x 4,57 ms, as cortinas de 18,29 ms deviam pender até o chão na parte de trás (entendendo-se que a frente ficava descoberta), e os 12,80 ms de largura alcançariam até quase 47 cms do chão.
7-14. As Cortinas Externas. A tenda sobre a habitação era feita de pelo de cabra, como as tendas dos beduínos ainda são feitas hoje, e provavelmente como as dos israelitas eram feitas naquele tempo. Enquanto as cortinas de linho formavam um findo interior, o pelo das cabras formavam uma cobertura resistente do lado de fora. Esta coberta era feita de onze cortinas, cada uma com 13,72 ms x 1,83 ms, reunidas por colchetes de bronze (vs. 10,11), do mesmo modo como as cortinas de linho; isto formava uma grande coberta de 20,12 ms x 13,72 ms. Uma vez que as cortinas de pelo de cabra eram 91 cms mais largas do que as de linho, estas últimas deviam ficar completamente ocultas dos lados (v.13). Eram 1,83 ms mais compridas que a tapeçaria, e este excedente era usado para fazer uma dobra (v. 9) que pendia sobre a abertura, como uma espécie de dossel para proteger a cortina da entrada. O restante do excesso provavelmente pendia no lado de trás. Qualquer folga desta cobertura seria aproveitada, como nas demais tendas, pelas cordas e estacas que a mantinham firme e estendida. Alguns acham que devia haver um pau de cumeeira que formava uma espécie de telhado, mas não podemos determiná-lo pela leitura do texto. Mais duas cobertas externas de couro (v. 14; cons. 25: 5) vinham por cima do pelo de cabra e protegiam do mau tempo.
15-30. A Estrutura de Madeira. Uma estrutura feita de tábuas de acácia cobertas de ouro, cada tábua tendo 4,57 ms de comprimento e 69cms de largura. Kennedy defende que esta estrutura era aberta e não fechada (“Tabernacle”, HDB). Não sabemos a espessura das tábuas, mas Josefo diz que era de 7,62 cms (Antiq. III 6.3), o que tornaria a cerca muito sólida e excessivamente pesada, em lugar da estrutura resistente exigida. Também, como já mencionamos acima, se não imaginarmos a tapeçaria como um cortinado, a beleza ficaria completamente escondida por uma estrutura sólida. As Escrituras não nos fornecem detalhes suficientes para termos uma idéia de como era a estrutura exatamente. Cada tábua tinha duas saliências (lit., mãos) projetadas para baixo (v.17) que se encaixavam em concavidades nas bases de prata (v. 19). As bases de prata pesavam um talento (43,18 kgs) cada uma, peso suficiente para manter a firmeza da estrutura (38:27). A estrutura formava os lados e o fundo do Tabernáculo. Vinte tábuas formavam cada lado, 13,72 ms de comprimento, e seis tábuas formavam os lados. Nos dois cantos onde os lados se encontravam com os fundos, duas tábuas extras foram acrescentadas para bem da firmeza. Embora a maneira exata da formação dos cantos seja obscura (v. 24), sabemos que as tábuas extras serviam para de alguma forma reforçar a estrutura. Para maior firmeza, cinco travessas passavam horizontalmente ao longo de cada lado e dos fundos, encaixando-se em argolas de ouro nas tábuas. A travessa do meio ia de ponta à ponta (v. 28); as outras presumivelmente eram mais curtas, cada uma talvez a metade da central.
Tábuas (v. 15). Armação vertical (RSV ). Dois encaixes, travados um com o outro (v. 17). Dois pinos presos à base (Moffatt). Cada uma dessas duas armações formando um suporte duplo e estando presas à argola de cima (v. 24; Moffatt).
31-35. O Véu do Santo dos Santos. A “Habitação” era dividida em duas seções chamadas de “o Santo Lugar” e “o Santo dos Santos” ou “Lugar Santíssimo”. O véu era feito da mesma tapeçaria ricamente tecida das cortinas internas. Pendia de ganchos de ouro presos a quatro colunas de madeira dourada, as quais estavam fixas em soquetes de prata, .tal como as tábuas da estrutura. Colchetes (v. 33). Ganchos ou fechos.
36,37. O Véu da Entrada. A entrada estava coberta por um véu de acabamento menos elaborado do que o do Santo dos Santos, que pendia, como os outros, sobre colunas fixas em soquetes de bronze.

Mais estudos bíblicos sobre o livro de Êxodo: Introdução ao livro de Êxodo; Esboço do livro de Êxodo; Estudo do livro de Êxodo; Teologia do livro de Êxodo; Panorama do livro de Êxodo; Significado do livro de Êxodo; Estudo devocional do livro de Êxodo; Comentário do livro de Êxodo; Autoria do livro de Êxodo; Escopo e Propósito do livro de Êxodo

Interpretação de Êxodo 26 Interpretação de Êxodo 26 Reviewed by Biblioteca Bíblia on quarta-feira, janeiro 20, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.