Interpretação de Êxodo 1 e 2



Interpretação de Êxodo

Interpretação de Êxodo 1 e 2


I. A Libertação de Israel. 1:1 - 18:27.
Interpretação de Êxodo 1

A. Introdução. 1:1-7.
ÊXODO, INTERPRETAÇÃO
Estes poucos versículos servem de ligação entre o Êxodo e a narrativa do Gênesis. Depois de fazer uma lista daqueles que vieram ao Egito com Jacó, a passagem narra rapidamente o que aconteceu nos muitos anos intermediários e resume o fio da história no versículo 7.

B. Escravidão no Egito. 1:8-22.
O período após a morte de José trouxe uma mudança completa nas condições dos israelitas. De protegidos dos governantes semitas hicsos, tornaram-se os temidos escravos de uma nova dinastia de reis egípcios nativos. Oprimidos por seus senhores egípcios, os israelitas alcançaram um estado de absoluto desamparo e desespero, quando Deus, fiel a Sua aliança, redimiu-os com grande poder.
8. Novo rei. Os invasores hicsos controlavam o Egito desde 1720 A.C. até 1570. Foram expulsos da terra por Amosis I, o fundador da Dinastia XVIII, talvez a mais brilhante era da história egípcia. Depois da expulsão dos odiados reis estrangeiros, a inimizade dos egípcios voltou-se contra todos que tivessem qualquer associação com eles, particularmente os hebreus, que se relacionavam com os hicsos pela raça e pela posição. Nas próximas gerações a condição dos hebreus declinou rapidamente, até chegarmos aos tempos aqui descritos, exatamente antes da redenção.
9. Mais numeroso e mais forte. Excessivamente numeroso e excessivamente forte.
10. Usemos de astúcia. Tomemos precauções contra eles; ou vamos tomar cuidado com eles (Moffatt). Havia um verdadeiro e real perigo que os hebreus, habitando em Gósen, na fronteira nordeste da terra, pudessem se unir a quaisquer invasores que viessem pala atacar o Egito.
11. Pitom e Ramessés. Estas cidades estão agora localizadas com um considerável grau de certeza em Tell er-Retabeh e em Tanis, ambas na região do Deita. Nas Escrituras Tanis também é conhecida como Zoã (Nm. 13:22), e era chamada Avaris pelos hicsos. Ramessés-Tanis, que foi a capital dos hicsos, foi abandonada depois de sua expulsão. Na Dinastia XIX (1310-1200 A.C.) foi restaurada e tornou-se novamente a capital do Egito. Na providência divina, a única ocasião em que na longa história do Egito a capital esteve tão perto da fronteira foi quando Israel teve de entrar e sair.
12. Se inquietavam. Antes, temiam ou estavam apreensivos. Para os egípcios havia um elemento de admiração como também de aversão na multiplicação dos hebreus, não apenas por causa do perigo mencionado no versículo 10, mas também por causa da evidência da bênção divina em sua grande proliferação.
15. Parteiras hebreias. Isto pode significar "mulheres hebreias" ou "parteiras das mulheres hebreias", isto é, mulheres egípcias encarregadas do trabalho de porteiras para os hebreus. Em qualquer um dos casos, eram provavelmente as supervisoras, não apenas as parteiras.
16. Bancos. Bancos de parto (lit. pedras). Eram duas pedras, tijolos, ou bancos baixos, sobre os quais era costume as mulheres se ajoelharem ou sentarem durante o parto. Filha. As filtras foram poupadas, uma vez que podiam se casar com egípcios, perdendo assim sua identidade nacional. Esta distinção era frequente no V.T. não apenas entre os hebreus mas também em outras nações.
19. A explicação dada a Faraó era apenas parcialmente verdade. Está evidente na recompensa da bênção divina dada às parteiras que elas mesmas não tomaram precauções para evitar a preservação dos meninos.
22. A todos os filhos que nascerem. A LXX, os Targuns, e a E.R.A. acrescentam as palavras obviamente explicativas, "aos hebreus".  

C. Preparação do Libertador. 2:1 – 4:31.
Na plenitude dos tempos, quando o opressor fazia o máximo para destruir Israel, Deus preparou os meios da salvação.

Interpretação de Êxodo 2

1) O Nascimento e a Preservação de Moisés. 2:1-25.
A data exata do nascimento de Moisés, e a identificação de Faraó e sua filha são discutíveis, mas a evidência da fidelidade divina é inconfundível. Com base no fato de que existem vagos paralelos a esta narrativa em outras histórias antigas, a IB chama-a de "narrativa lendária". Nessa base quase tudo poderia ser considerado anti-histórico.
1. Um homem da casa de Levi. De acordo com 6:20, este era Anrão, que se casou com a irmã de seu pai, Joquebede.
2. Formoso. Hebreus 11:23 atribui este ato dos pais de Moisés à fé deles – "porque viram que era uma criança peculiar". Tomaram a aparência robusta e agradável da criança como evidência de que Deus o dera para um grande propósito.
3. Carriçal. Provavelmente os caniços dos papiros tão abundantes no Nilo. Betume e piche, ou asfalto. À beira do rio. Muito provavelmente a criança foi colocada onde a mãe sabia que a filha do rei costumava tomar banho (KD). Tudo o que aconteceu, inclusive o colocar-se da irmã para vigiar, toma evidente que não foi um ato de simplesmente abandonar a criança á mercê do rio com a tênue esperança de que pudesse ser salva.
5. O banho deveria ter sido uru ato de adoração e o salvamento deve ter sido uru ritual religioso mais do que simples piedade (Alleman e Flack, op. cit. ).
9. Havia uma ironia divina nesta situação na qual o destinado libertador não foi apenas preservado mas também sustentado por aqueles que uru dia ele derrotaria.
10. Moisés. O hebraico significa tirado ou arrancado. Muitos críticos crêem que a palavra hebraica para Moisés (Mosheh) deriva-se do Êxodo egípcio mesi que significa "dar à luz". No processo do nascimento, a criança é tirada; neste exemplo a criança foi chamada Moisés porque foi tirada das águas. Alguns mestres, entretanto, duvidam de que haja alguma ligação com o egípcio mesi.
11. Viu. "Contemplou com simpatia" (Cambridge Bible).
12. Por meio deste ato Moisés estava irrevogavelmente lançando a sua sorte ao lado dos seus irmãos (cons. Hb. 11:24-26).
14. Moisés apresentou-se ao seu povo como o seu paladino, mas os israelitas ainda não estavam prontos para a redenção, nem ele mesmo. "Seria por meio do cajado e não da espada – pela brandura e não pela ira de Moisés que Deus realizaria a Sua grande obra de libertação" (JFB). Atos 7:25 expressa este patético pensamento, "Ele cuidava que seus irmãos entenderiam".
15. Desse caso. Não foi tanto o homicídio como a rebelião implícita nele que despertou a ira de Faraó (cons. Hb. 11:27). Midiã. Os midianitas eram um grupo de tribos que descendiam de Quetura e Abraão (Gn. 25:1-4), Embora seu lar pareça ter sido a leste do Golfo de Ácaba, eram um povo nômade que peregrinou pela Palestina, Neguebe e Península do Sinai. De acordo com Êx. 3:1, aqueles que Moisés encontrou deviam estar habitando nas vizinhanças do Monte Sinai. A tentativa de confinar os midianitas a uma só área e localizar o Monte Sinai a leste de Ácaba (T. Meek, Hebrew Origins; et al.) não concorda com as Escrituras e parece sem fundamentos.
16. O sacerdote de Midiã. As Escrituras não indicam que deus ele servia. Pode realmente ter sido Jeová, como alguns defendem, mas as palavras de Jetro em Êx. 18:11 soam mais como o testemunho de um convertido. Não há absolutamente nenhuma razão pala supormos, como alguns escritores têm feito, que Moisés ficou conhecendo Jeová através dos midianitas (cons. Meek, et al.).
17. A compaixão pelos oprimidos fazia parte do caráter de Moisés.
18. Reuel. O nome significa amigo de Deus (veja também Nm. 10:29). Ele também é chamado de Jetro (3:1; 4:18).
22. Gérson. O nome significa um estrangeiro aqui. O segundo filho, Elíézer, Deus é meu auxílio, aparece em 18:3.
23. Decorridos muitos dias. De acordo com Atos 7:30, o período foi de quarenta anos, ou uma geração inteira. Se aceitarmos o século treze para o Êxodo, então o rei que morreu deveria ter sido Seti I (1319-1301), ou possivelmente Ramessés I, o fundador da Dinastia XIX. O novo rei teria sido Ramessés II, um dos maiores de todos os Faraós (1301-1234).
24,25. Deus estava demorando e estava calado, mas Ele nunca esqueceu nem abandonou o Seu povo. Ouvindo Deus o seu gemido... viu... atentou e tomou conhecimento de sua condição.

2) Chamada e Incumbência de Moisés. 3:1 – 4:31.

Tentando redimir Israel à sua maneira e na sua hora, Moisés fracassou. Mas na hora de Deus ele foi chamado para libertar à maneira de Deus e pelo poder de Deus.

Mais estudos bíblicos sobre o livro de Êxodo: Introdução ao livro de ÊxodoEsboço do livro de ÊxodoEstudo do livro de ÊxodoTeologia do livro de ÊxodoPanorama do livro de ÊxodoSignificado do livro de ÊxodoEstudo devocional do livro de ÊxodoComentário do livro de ÊxodoAutoria do livro de ÊxodoEscopo e Propósito do livro de Êxodo

Interpretação de Êxodo 1 e 2 Interpretação de Êxodo 1 e 2 Reviewed by Biblioteca Bíblica on quarta-feira, janeiro 20, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.