Teologia da Carta aos Efésios



Teologia da Carta aos Efésios

Teologia da Carta aos Efésios


A autoria Paulina de Efésios não parecem ter sido duvidada na igreja primitiva. Ela está listada entre as cartas de Paulo nos manuscritos antigos e citada como tal pelos primeiros autores cristãos, como Irineu (Contra as Heresias 5.2.3), Clemente de Alexandria (Stromateis 4,65), e Tertuliano (Contra Marcião 5.11.17; 5.17.1). Ela está incluído entre as cartas de Paulo como o Canon de Muratori, que é geralmente considerado como segundo século, e reconhecida como de Paulo até mesmo pelo herege Marcião, que chamou de “Laodicéia”.

Efésios contém uma teologia cuidadosamente fundamentada e precisamente formulada apresentado-se de uma forma sistemática. Não há carta no corpus paulinus que mais precisa e de forma sucinta apresenta os elementos rudimentares de seu entendimento da história da salvação do que esta.

Para compreender totalmente o núcleo teológico desta carta, é importante lembrar a natureza da conversão e chamada de Paulo quando na estrada para Damasco. Foi-lhe dito pela voz divina: “levante-se e fique de pé. Eu apareci a você para te designar como um servo e como uma testemunha do que você já viu de mim e que eu vou mostrar-lhe. Eu irei salvá-lo de seu próprio povo e dos gentios. Estou lhe enviando a eles para abrir os olhos e convertê-los das trevas para a luz, e do poder de Satanás a Deus, para que eles possam receber o perdão dos pecados e um lugar entre aqueles que são santificados pela fé em mim” (Atos 26:16-18).

Toda a vida de Paulo, após esta experiência foi guiada por esta comissão que recebeu para levar o evangelho como um judeu aos gentios (Gl 1:15-16). Ele funcionou um pouco como um servo sacerdotal enviado “para ser ministro de Cristo Jesus para os gentios com o dever sacerdotal de proclamar o Evangelho de Deus, para que os gentios pudessem se tornar uma oferta agradável a Deus, santificados pelo Espírito Santo” (Rm 15:16).

Cf. Efésios: Paganismo vs Cristianismo
Cf. Visão Geral da Carta aos Efésios
Cf. Esboço da Carta aos Efésios

A chave para a teologia de Efésios é o segundo capítulo, onde Paulo expõe as implicações da união igual de judeus e gentios em um só corpo, a igreja. Ambos os gentios (v. 1) e judeus (vv. 3-5) já foram mortos em seus delitos e pecados. No entanto, os judeus tinham preparado o caminho para o Messias e foram os primeiros a ser chamados para a igreja. Os gentios já foram incluídos, em grande parte pelo trabalho do próprio Paulo, em consonância com premeditação e eleição divinas. Deus havia prometido a Abraão que sua descendência seria uma bênção para todas as nações, e eles agora devem ser aceitos plenamente como parceiros iguais no reino.

É fundamental para a teologia de Paulo, em Atos e nas suas cartas geralmente aceitas, bem como em Efésios, que ambos os gentios e judeus são vivificados juntamente com Cristo, foram levantados juntos, e feitos assentar juntamente com Cristo na lugares celestiais (vv. 5-6). Assim, os discípulos gentios são concidadãos dos discípulos judeus e membros juntamente com eles da família de Deus (v. 19).

A igreja, Paulo argumenta, foi construída sobre o fundamento judaico de apóstolos e profetas, com Cristo Jesus como pedra angular, o chefe (judeu) (2:20, 3:5). Os gentios agora foram incluídos e, sendo “unidos” com a fundação judaica, crescem juntos em um templo santo no Senhor (2:20-21). Sua conduta diária moral e ética devem ser guiadas por esta verdade que é apresentada na última parte da carta (4:17-6:24).

Um certo número de termos teológicos e argumentos em Efésios giram em torno desses dois conceitos: (1) o papel histórico e cosmológico dos judeus na história da redenção de Deus desde a época de Abraão, e (2) lugar de Paulo nesse processo, o de trazer os gentios como participantes de pleno direito no reino, que as forças do mal no cosmos conspiraram para prevenir e, assim, para destruir a obra de Cristo.

Há uma ênfase especial em Efésios sobre a exaltação de Cristo acima dos céus, sua coroação à mão direita de Deus, e seu senhorio cósmico subsequente (1:3-4, 90-10, 20-23; 2:6; 04:08 -10). A natureza cosmológica da igreja sendo a ênfase central da seção teológica da carta (cap. 1-4), o autor não sentia necessidade de argumentar aqui sobre a ressurreição do corpo de Jesus e seus crentes, que é escatológico, mas não cosmológico. Ele não faz nenhuma menção de um retorno iminente de Cristo, mas fala do papel da igreja na manifestação da glória de Cristo Jesus por todas as gerações. Os aspectos da conduta da igreja até a volta de Cristo são delineadas nos capítulos 5-6, como elas são em Romanos, Coríntios, Gálatas e Tessalonicenses.

§ 1 Israel como Eleito de Deus

É no contexto do papel de Israel como os eleitos, os escolhidos, descendente de Abraão para propagar o Messias, em vez de no contexto da predestinação individual para a salvação, que Paulo fala da eleição. O primeiro capítulo afirma que os judeus, os santos de Deus, foram “escolhidos” para trazer a bênção da redenção a todas as nações, em cumprimento da promessa feita a Abraão. Foram os judeus que foram preordenados até aprovação para esse fim (v. 5), escolhido no amado (Messias) para glória de Deus, isto é, para declarar a soberania do monoteísmo, (v. 6), escolhido antes da fundação do mundo para ser “santos e irrepreensíveis” (v. 4). Eles foram os primeiros a ter esperança no Messias (v. 12).

§ 2 A Aplicação Especializada de Pronomes

Outra chave para a compreensão Efésios é reconhecer que neste livro um autor judeu está escrevendo para um público gentio. Isto é especialmente evidente ao discriminar Paulo nos usos de pronomes de primeira pessoa e segunda pessoa. Embora a maioria dos estudos sobre Efésios façam abordagem da carta investigando seus principais termos teológicos e comparando seu uso em cartas geralmente reconhecidas de Paulo, é mais provável que o pensamento de um autor (ou redator) seja encontrado nas partes mais comumente usadas de discurso que emprega, por vezes, quase que inconscientemente. Estas partes do discurso podem refletir as perspectivas teológicas subconsciente dos quais um autor ou redator formula sua doutrina e da qual ele expressa a essa doutrina. A este respeito os pronomes em Efésios fornecer uma chave para a teologia do livro. Se estudado na suposição de consistência em uso, eles revelam o pensamento do autor de uma maneira que nos permita tirar conclusões importantes sobre o ponto de vista de que ele escreve e, portanto, sobre sua teologia.

Paulo consistentemente usa pronomes da segunda pessoa na carta em um sentido especializado, de abordar um público gentio exclusivamente cristão. O uso particularizado do pronome na segunda pessoa referindo-se a nações como os destinatários desta carta é visto em 2:11, onde ele diz: “lembre-se que vocês que são gentios por nascimento e chamados incircuncisão.” Novamente em 3:1 ele escreve: “Eu, Paulo, o prisioneiro de Cristo Jesus por amor de vós gentios.” No entanto, ao contrário de Romanos, onde Paulo se dirige a seu público duplo por um lado, como os judeus “que conhecem a lei” (7:1) e, em seguida, o outro como gentios (11:13), Paulo nunca aborda diretamente os judeus em Efésios usando o segunda pessoa pronominal.

Pronomes em primeira pessoa, como os da segunda pessoa, também são usados ​​em um número de maneiras diferentes, tanto tradicionais e especializados. Seu uso epistolar habitual em comunicação pessoal pode ser visto em 6:12. Eles também são usados ​​em material litúrgico e fórmulas confessionais. Por exemplo, na saudação da “graça a todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo” (6:24) o pronome é parte de uma expressão padrão e não tem referência especializada.

Caso contrário, os pronomes de primeira pessoa do plural, como os pronomes da segunda pessoa, são utilizados de forma especializada. Na primeira parte da carta, até 2:3, eles se referem aos judeus ou cristãos judeus. Neste ponto, após a declaração de Paulo sobre a inclusão dos gentios com os judeus, os pronomes de primeira pessoa, doravante, se referem aos judeus e gentios juntos.

O significado desse uso do pronome pode ser visto no exemplo a seguir. Após a saudação epistolar em 1:1-2, os gentios não são referidos, até o versículo 13, onde é dito que eles foram adicionados à obra redentora de Deus entre os judeus, que até agora têm sido designados por pronomes de primeira pessoa do plural. Paulo, então, aborda os leitores gentios no versículo 13, dizendo “que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação... marcadas nele com um selo, o Espírito Santo prometido, que é o penhor da nossa herança.”

Assim, os judeus e gentios são diferenciados por esses pronomes até o segundo capítulo. Então, em 2:1-5, após a declaração de que os gentios agora foram reunidos com os judeus no corpo de Cristo, os pronomes de primeira pessoa do plural, doravante, se referem aos judeus e gentios juntos. O ponto de transição é o versículo 3, onde Paulo conclui que “todos nós [judeus e gentios] também vivíamos entre eles [os filhos da desobediência].”

Assim, os dez primeiros versículos do capítulo 2 podem ser parafraseados como se segue: “Vós, gentios, estavam mortos em suas transgressões e pecados (v. 1), assim como nós, judeus, estávamos (v. 5), de modo que todos compartilhavam a mesma culpa do pecado (v. 3). Mas Deus já nos perdoou (judeus e gentios) por sua graça (vv. 6, 8), nos deu vida juntamente com Cristo, nos levantou junto e nos fez assentar juntamente com Cristo nos lugares celestiais”. (vv. 5-8).

Portanto, a partir deste ponto (2:3) os pronomes de primeira pessoa do plural inclui os gentios também, que foram enxertados como ramos de oliveira selvagem na árvore dos judeus (Rm 11:17-24) e estão agora em diante, como os judeus, incluídos entre os “descendentes de Abraão, a fim de que a bênção dada a Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, para que pela fé nós [judeus e gentios] recebam a promessa do Espírito” (Gl 3:14) .

Há um número significativo de ocorrências dos pronomes de primeira pessoa do plural usado desta forma, inclusive depois de 2:3, que esclarecem a teologia da carta. O primeiro exemplo e talvez o mais significativo está no 2:5, onde, após três verbos composto descrevendo a união de judeus e gentios juntos em Cristo (“vivificados juntos, criados juntos, e fez sentar-se juntos” - sunezoopoiesen, sunegeiren e sunekathisen), Paul afirma (v. 7) que a graça rica de Deus se manifesta em nossa direção, o pronome de primeira pessoa plural significado agora que judeus e gentios juntos são declarados como sua obra (v. 10).

Esses verbos compostos fornecem um ponto-chave na teologia de Efésios. A maioria dos comentaristas sobre o texto grego argumentam que o capítulo 1 trata do que Deus tem feito por Cristo e no capítulo 2 com o que Deus tem feito posteriormente para todos os crentes. Estes três verbos composto em 2:5 são, portanto, tomados para indicar a união dupla de Cristo e seus crentes.

No entanto, todos eles expressam dificuldades em lidar com os cinco primeiros versículos do capítulo 2 e nenhum deles lida com a passagem no contexto da consistência temática do uso de pronomes ou vê a implausibilidade de sua posição devida às exigências dos três verbos compostos. Os compostos se não se referem a qualquer união incluindo Cristo — Cristo e os judeus, Cristo e gentios, ou Cristo e os cristãos, mas para judeus e gentios. Os judeus e gentios, assim, reunidos, estão, então, juntos, como uma entidade, unidos com Cristo.

O uso de compostos desta forma ocorre novamente em 3:6, onde Paulo diz que os gentios são co-herdeiros membros (gr.: sunkleronoma) co-membros do corpo (gr.: sussoma) e co-participantes (summetocha) da promessa em Cristo Jesus através do Evangelho.

O segundo exemplo do uso especial de pronomes de primeira pessoa do plural é em 2:16-18, onde Paulo afirma que Deus reconciliou ambos em um só corpo e criou uma das duas uma pessoa nova. Esta declaração de unificação é seguida no versículo 18 por uma construção da primeira pessoa do plural referindo-se ao resultado da unidade: “ambos temos acesso ao Pai em um só Espírito.” O resultado é que os gentios são agora “concidadãos com o povo de Deus,” os judeus.

Um terceiro exemplo é em 3:8, onde Paulo se autodenomina “o menor de todos do povo de Deus (cristãos judeus)”, que foi dada a missão de “anunciar aos gentios a insondável riqueza de Cristo”. Esta declaração de inclusão dos gentios é seguida de novo (como em 2:16) pela primeira-pessoa “nós” (v. 12), significando que nós [judeus e gentios] agora podemos se aproximar de Deus com liberdade e confiança.

Um quarto exemplo pode ser encontrado em 4:13, onde se afirma que o trabalho do povo de Deus (cristãos judeus) na edificação do corpo de Cristo, incluindo os gentios, vai continuar até que todos cheguemos à unidade da . Então, nos versículos 14 e 15, a primeira pessoa plural é usado ​​(“vamos deixar de ser” e “vamos crescer...”) referindo-se ao sindicato recém-criado de judeus e gentios, que não devem mais ser pequeninos, mas crescer em tudo naquele que é o cabeça, Cristo. Que “crescer” ou chegar à “maturidade” é feito através da inclusão dos gentios.

Se esta análise estiver correta, 2:3 é o ponto de transição na carta, com todos os pronomes de primeira pessoa a partir deste ponto referindo-se à união de judeus e gentios. Antes disso eles se referem aos judeus como um povo ou aos cristãos judeus. O terceiro verso é o ponto decisivo, indicado pela frase “todos nós”, que aparecem também em 4:13, em ambos os casos ampliando as referências do pronome da primeira pessoa para os judeus para incluir os gentios também.

§ 3 O Uso Especial de “Povo de Deus.”

Um terceiro elemento-chave na teologia de Efésios é a diferenciação entre judeus e cristãos gentios pelo uso consistente das palavras “o povo de Deus”, em referência aos cristãos judeus. Esta designação de cristãos judeus como povo de Deus, ocasionalmente, ocorre em contextos especiais na literatura paulina.

Que o autor de Efésios considera-se entre o povo de Deus e que eles são cristãos judeus é claro de 3:1, 8. No versículo 1 ele diz: “Eu, Paulo, o prisioneiro de Cristo Jesus por amor de vós gentios” e no versículo 8, ele continua “Eu sou o menor do povo de Deus.” Esta distinção entre gentios e santos é vista também em 3:18, onde o texto afirma: “a fim de que vós (gentios) possam ter poder junto com todos os santos” a grandeza de Deus. É significativo que ele não diz “com todos os outros santos.” Além disso, o mistério em 1:9, Paulo diz que foi dado a conhecer a “nós” (os judeus), é identificado em 3:3-5 como uma revelação para o povo de Deus (judeus), que os gentios fossem colegas participantes no propósito eterno de Deus.

§ 4 O Papel dos Poderes Cósmicos

Outro elemento muito importante da teologia de Efésios é o papel cósmico, poderes demoníacos nos assuntos da atividade humana. Paulo afirma categoricamente que “nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra os principados, contra as autoridades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestes” (6:12).

Sua perspectiva é que Satanás, que habita na região em torno da Terra (2:2), está ativamente tentando destruir a unidade da igreja. A guerra cristã é com ele, não com carne e sangue. Ao fomentar a desunião no corpo de Cristo, como fez na história de Israel, ele destrói o seu testemunho da unicidade de Deus (4:4-6), que constantemente procura dar a conhecer através de sua unidade, até mesmo para esses principados e potestades nos lugares celestiais (3:10).

O mundo celestial foi altamente estruturado no pensamento helenista judeu do tempo de Paulo, tendo céus múltiplos, geralmente em número de sete, e contendo os anjos e demônios. Os dogmas principais do cristianismo judaico foram desenvolvidos ao longo de linhas cosmológicas, embora eles estavam preocupados com a cristologia, em vez de cosmologia, e usou dados cosmológicos simplesmente como um meio de expressão.

Paulo fala em Efésios dos céus múltiplos, dizendo que Cristo ascendeu “mais alto do que todos os céus” (4:10). Estes lugares celestiais não são sinônimos de “céu”, porque incluem não só a Deus e a Cristo, mas também judeus e cristãos gentios, bem como os poderes demoníacos (1:3, 10, 20, 2:2, 6; 3:10, 15; 4:10; 6:9, 12). Satanás, o “governante do reino do ar” (2:2) mora em um céu inferior ao redor da Terra conhecido como o firmamento no pensamento apocalíptico judaico. Concisa, a teologia de Efésios é que na vida, a morte, sepultamento e ressurreição, ascensão e entronização de Jesus Cristo, a igreja, que é seu Corpo, declara por sua unidade, o senhorio de Jesus, não só sobre a igreja, mas sobre o cosmos também.

John McRay

Bibliografia

F. F. Bruce, The Epistle to the Ephesians
_____, The New International Commentary on the New Testament
M. Barth, The Broken Wall: A Study of the Epistle to the Ephesians
F. Foulkes, The Letter of Paul to the Ephesians: An Introduction and Commentary
E. J. Goodspeed, The Key to Ephesians
_____, The Meaning of Ephesians
A. T. Lincoln, Ephesians
L. G. Mitton, Ephesians
B. F. Westcott, St. Paul's Epistle to the Ephesians

Teologia da Carta aos Efésios Teologia da Carta aos Efésios Reviewed by Biblioteca Bíblica on terça-feira, novembro 08, 2011 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.