“Vontade de Deus” — Significado no Antigo Testamento



Você é uma Pessoa Amada?

“Vontade de Deus” — Significado no Antigo Testamento



INTRODUÇÃO: Um tema que ocupa todas as partes das Escrituras de uma forma ou de outra é a vontade de Deus. A vontade de Deus é tão vasta quanto o Seu plano para a criação inteira, e do ponto de vista de conteúdo objetivo, parece ser imutável. Os escritores do Antigo Testamento e Novo Testamento, portanto, podem se referir à vontade de Deus, como se sua existência fosse aceita por todos. Mas, embora pareça ter o caráter de um projeto amplo, em aplicações práticas é expresso em termos específicos. A vontade de Deus também pode ser vista a partir do seu lado ativo como seu consciente em “decidir”, “estar dispostos” e “escolher” para fazer algo.

No Antigo Testamento: A afirmação de que existe, com o Deus de Israel, uma vontade que é firme e tem em suas ações sobre a vida de seu povo é feita em todas as partes do Antigo Testamento. A impressão criada é que Ele já trabalhou e continua a interagir com Sua criação de acordo com um desígno. Salmo 135:6 anuncia que “o Senhor faz tudo o que lhe agrada.” Sua vontade é também o padrão a ser seguido na vida por seu povo. A vontade de Deus não é simplesmente um plano passivo, o projeto para sua criação. Pelo contrário, muitas vezes o Antigo Testamento descreve Deus como realizando sua vontade. Neste, vislumbramos o controle soberano que Ele exerce sobre as nações e indivíduos, bem como a certeza inabalável que caracteriza a Sua vontade. Em termos gerais, “Nosso Deus está no céu, ele faz tudo o que lhe agrada” (Salmo 115:3; 135:6). Mais especificamente, a Sua vontade se aplica às nações (Is 48:14), bem como às decisões tomadas sobre indivíduos (1 Sam 2:25). O que Deus tem planejado (sua vontade), Ele próprio vai levar a cabo. Consequentemente, o desenvolvimento na compreensão da vontade de Deus no Antigo Testamento revela que Deus, em certo sentido, pode ser visto como o iniciador na execução de sua vontade e que isso pode envolver os eventos que compõem a história humana. A história humana nunca é considerada como fora de seu controle. Isso inclui não apenas os desenvolvimentos radicais que afetam nações inteiras, mas também os eventos específicos que tocam vidas individuais. Por esta razão, o povo de Israel e os indivíduos devem alinhar as suas vidas com e fazer a vontade de Deus. Salmo 40:8 torna-se uma declaração programática neste respeito: “Eu desejo fazer a Tua vontade, ó meu Deus, a Tua lei está dentro do meu coração.” Neste texto o salmista reúne dois elementos essenciais para descrever a vida ideal de obediência a Deus. Deus exige certos padrões de comportamento em resposta a Sua aliança. A lei é a articulação das exigências éticas da vontade de Deus. Esse padrão também é retomado na “nova aliança” na passagem de Jeremias 31:31-34: fazendo a lei de Deus (vontade) é a essência da vida em resposta a aliança de Deus. A vontade de Deus, para ser feito, tinha primeiro de ser conhecida e compreendida por seu povo: “Ensina-me a fazer a tua vontade, pois tu és o meu Deus” (Salmo 143:10). Através de Moisés, os juízes, e os profetas, Deus fez conhecer sua vontade e levou o povo na sua aplicação em situações cotidianas. Em um caso, a aplicação da vontade de Deus a uma situação específica destinada a guardar as esposas estrangeiras (Esdras 10:11). Quando as pessoas tomam as medidas que devem ser feitas na consciência de que a vontade de Deus é o guia, elas não podem ser frustradas (Jó 42:2): assim, antes de agir, David disse ao povo: “Se parece bom para você , e se for a vontade do Senhor, nosso Deus, deixe-nos...” (1 Cr 13:2). O conceito de vontade de Deus é desenvolvido especificamente ao longo de linhas teológicas, em referência à salvação, nas passagens do Servo em Isaías. Deus escolheu Ciro para realizar seu propósito, o que permitiria a cidade de Jerusalém e do templo ser reconstruída (44:28). Aqui a vontade de Deus é executada em um evento histórico, além disso, esse ato é soteriológico pois através dela que vem a salvação de Deus para as pessoas. O canto do Servo Sofredor revela que “foi a vontade do Senhor esmagá-lo” (53:10). Esta expressão da vontade de Deus, seu plano decidido, no entanto, tem o seu significado a partir dos textos de 42:1-9 e 49:1-7, que deixam claro que o propósito de Deus é a libertação de Israel e as nações dos gentios, e que de alguma forma o sofrimento do Servo desempenha um papel dentro deste plano. Mais uma vez, os acontecimentos históricos são vistos para ter significado à medida que se desenvolvem a partir da vontade determinada de Deus. Finalmente, a execução da vontade salvífica de Deus, a “missão” da redenção de Israel e as nações, está ligada à proclamação da Palavra eficaz de Deus: “assim é a minha palavra que sai da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que eu desejo” (55:11). A vontade de Deus inclui o plano de salvação.

“Vontade de Deus” — Significado no Antigo Testamento “Vontade de Deus” — Significado no Antigo Testamento Reviewed by Biblioteca Bíblica on quinta-feira, outubro 20, 2011 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.