Antropologia do Antigo Testamento



Antropologia do Antigo Testamento

Antropologia do 

Antigo Testamento

Os relatos do Antigo Testamento da história, a poesia na literatura da sabedoria, e os pronunciamentos dos profetas, operam em conjunto para fornecer as imagens do Antigo Testamento dos seres humanos. Afirmou-se na sua forma mais aguçada, a questão antropológica, nessa pergunta: “Que é o homem que tu lembres dele, e o filho do homem para que se importes com ele?” (Sl 8:4 RSV). A intensa pergunta do salmista não tem solução simples. Na verdade, o retrato bíblico do ser humano é complexo e muitas vezes paradoxal. Por um lado, os seres humanos são retratados como o centro de coroação da atividade criativa de Deus, terrível e maravilhosa (Gênesis 1:26-31; 2:4-7; Sl. 8:6-8). Por outro lado, os seres humanos são “como um sopro”, frágeis fisicamente, espiritualmente fracos e incapazes de estar diante da santidade e justiça de Deus (Salmos 90:5-6; 103:13-16; 144:3-4; 146:3-4). Em estudos teológicos tradicionais, as doutrinas da humanidade e do pecado tem sido frequentemente examinadas como uma só. Na verdade, elas estão de diferentes lados de uma mesma moeda. Ao afirmar ambos os lados do paradoxo, a Bíblia sugere muitas verdades teológicas significativas sobre os seres humanos. A imagem bíblica das pessoas é constantemente confirmada por uma experiência humana. A conscientização e a compreensão bíblica da humanidade é pessoal e profunda, porque Deus conhece os seres humanos ainda melhor do que eles mesmos se conhecem. O Salmo 139 é uma expressão triste e assustadora desse tipo de conhecimento.

A conclusão do salmista em louvor a Deus é “Tu me conheces muito bem” (Salmo 139:14b RSV). O conhecimento profundo de Deus da humanidade ressalta tanto a importância da humanidade e com da sua insignificância, seu valor e como sua indignidade, capacidades e deficiências. Onde quer que a humanidade se encontre, a condição e a situação da humanidade são temperadas pelo conhecimento íntimo e apaixonado de Deus. Devido a esse conhecimento, os seres humanos não precisam estar sozinhos. Devido a esse conhecimento, os seres humanos são incapazes de esconder-se de Deus (Sl. 139:7-12). Na verdade, é apenas Deus que conhece a humanidade (Jr 17:9-10).

O conhecimento profundo de Deus da humanidade está enraizada em seu ato inicial de criação. Indica simplesmente, que o Criador conhece o que Ele criou. Embora o relato bíblico da criação deliberada e propositadamente fale muito sobre Deus, o relato também fala muito sobre os seres humanos. Gênesis 1-2, por exemplo, corajosamente afirma Deus como Criador e Senhor de todas as coisas. Ao mesmo tempo, porém, a passagem declara enfaticamente que a criação de Deus é boa, na verdade, a humanidade é muito boa (Gn 1:31). A passagem explicitamente retrata os seres humanos como o mais elevado dos seres criados por Deus, no centro da maravilhosa criação de Deus (Gn 1:26-30). Muito mais do que uma proclamação de honra ou posição privilegiada, o pronunciamento deve ser considerado como uma declaração séria de responsabilidade. (Ver Lucas 12:48.) Devido a alta posição que os seres humanos ocupam na criação de Deus, muito é esperado e exigido deles. A criação aponta para a pré-eminência de Deus, mas também aponta para a responsabilidade humana de serem mordomos fiéis das habilidades, talentos, dons e recursos humanos dados por Deus (Gênesis 1:29-30; comparar Mt. 25:14 -30).

Duas verdades antropológicas tornam-se recorrentes em todo o registro bíblico. Em primeiro lugar, um ser humano é uma totalidade do ser, não uma combinação de várias partes e impulsos. De acordo com o entendimento do Antigo Testamento, uma pessoa não é um corpo, que veio a possuir uma alma. Em vez disso, uma pessoa é uma alma vivente. Em Gênesis 2:7, Deus diz que fez o homem “do pó da terra” e soprou em suas narinas “o sopro da vida.” (Ver Jer. 18:6) O homem tornou-se humano quando Deus soprou o fôlego da vida. Por causa da ação de Deus, a humanidade se tornou uma parte especial e única da criação. Por causa da respiração de vida de Deus, o homem se tornou “um ser vivente” (Gn 2:7). Uma pessoa, portanto, é um conjunto completo, composto de carne humana, espírito (o melhor entendida como “a força da vida”), e nephesh (melhor entendida como “total da pessoa”, mas muitas vezes traduzida como “alma”). A carne humana não pode existir sozinha.[1] Nem pode o espírito, ou nephesh, existir sozinho. Juntos, porém, eles constituem uma pessoa completa.

A segunda maior verdade antropológica originalmente proclamada no relato da criação de Gênesis e ecoada por escritores posteriores bíblicos, afirma que uma pessoa é criada à imagem e semelhança de Deus. A ideia é explicitamente declarada em Gênesis 1:26-31, 5:1-3, e 9:1-7. A ideia é mais implícita, mas ainda presente no Salmo 8. Específicas referências do Novo Testamento ao conceito incluem 1 Coríntios 11:7, Colossenses 3:1; e Tiago 3:9. A criação tem algum tipo de semelhança com o Criador. “Imagem” e “semelhança” simplesmente intensificam a mesma verdade. As duas palavras não significam diferentes aspectos originais da pessoa humana. Em algumas passagens, “imagem” é empregada, por si só, para indicar o reflexo do Criador em uma pessoa (Gn 1:27, 9:6). Em outros casos, “semelhança” transmite a ideia de base (Gn 5:1; Jas. 3:9). A verdade central da Bíblia é que a criatura humana reflete exclusivamente a Deus, de alguma forma.
Que uma pessoa é criada “à imagem e semelhança” de Deus foi tomado a significar uma variedade de coisas na história da interpretação bíblica. Em um extremo, alguns intérpretes têm afirmado que “a imagem e semelhança” se referem a um real, literal, até mesmo física, semelhança. Este tipo de tentativas de interpretação objeta a língua do Antigo Testamento sobre Deus ao extremo. (Por exemplo, “a mão de Deus” viria a referir-se a uma mão física e real.) Esta posição cai por terra, pois é perigoso tentar entender a Deus em termos humanos. A Bíblia ensina que Deus e a humanidade são profundo e eternamente separados e distintos. No outro extremo, alguns intérpretes afirmam que “a imagem e semelhança” se referem a recursos humanos, ou atributos, como a capacidade da razão humana ou da auto-compreensão. Este ponto de vista afirma que essas características específicas nos seres humanos os separam do resto da criação. Esta interpretação contém alguma verdade, a capacidade humana da razão e da auto-consciência humana são, de fato, únicos na ordem criada por Deus. Ao mesmo tempo, porém, essa visão desvaloriza a ideia dos seres humanos que são criados “à imagem e semelhança” de Deus. Certamente, esta grande verdade teológica consiste na capacidade de razão. Aceitar esta interpretação é inteiramente sugerir que as pessoas com níveis mais elevados de inteligência, ou mais capacitados no poder do raciocínio, são capazes de se relacionar com Deus em um nível mais elevado. A Escritura não conhece essa distinção. Todos são criados à imagem de Deus.

Uma melhor compreensão da imagem de Deus enfatiza a verdade de que todos os seres humanos são igualmente incluídos. A imagem de Deus é expressa por duas ideias paralelas. Primeiro, a imagem de Deus se refere à capacidade humana de responder a Deus e entrar em uma relação com Deus. Em segundo lugar, a imagem de Deus se refere à responsabilidade humana para responder a Deus e entrar em relação com Deus. Obviamente, essa compreensão da imagem de Deus é alheia a qualquer tipo de semelhança física. Ao mesmo tempo, afirma que a imagem e semelhança inclui o ser total, não só capacidade de raciocínio ou traços da personalidade. Vendo a imagem de Deus a esta luz, nos leva à conclusão de que as pessoas ocupam um lugar de destaque na criação de Deus. Na verdade, as pessoas são representantes de Deus na terra, os possuidores do poder e domínio sobre a criação dado por Deus, a única parte da criação de Deus, refletindo desta forma. Claramente, a possibilidade de responder a Deus é o maior de todos os dons. Como afirma o salmista, os seres humanos têm sido coroados “com honra e glória” (Sl 8:5b). Cada pessoa é feita à imagem de Deus, porque cada pessoa possui a capacidade e a responsabilidade de resposta pessoal a Deus.


_________
Nota: 

[1]Cf. Jo 6.63



Fonte: Holman Bible Dictionary do mesmo autor do Holman Treasury of Key Bible Words.

Antropologia do Antigo Testamento Antropologia do Antigo Testamento Reviewed by Biblioteca Bíblia on quarta-feira, dezembro 16, 2009 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.